Análises escritas por André Cruz

1 resultados - mostrando 1 - 1
 
Custom
 
Satisfação Geral 
 
8.0
 
Visual 
 
7.0
Conforto 
 
9.0
Performance 
 
8.0
Dirigibilidade 
 
8.0
Consumo 
 
7.0
Custo x Benefício 
 
8.0
André Cruz Analisado por André Cruz    11 de Setembro de 2012
Atualizado pela última vez: 12 de Janeiro de 2013
Analista Top 1000  -  

Aconselho ao menos uma vez ao ano, verificar as porcas que prendem a placa de partida. Pois, pelo excesso de vibração do motor, elas podem desprender-se e danificar as peças internas do motor. Facto confirmado por um excelente e experiente mecânico da concessionária Suzuki;
O guidon é um tanto desconfortável, o substitui pelo guidon da Yamaha RX 180 e ficou óptimo;
Apesar dos problemas relatados, a maioria são solucionáveis.

Eu recomendo!
Prós
1. Óptimo conforto tratando-se do assento, altura e suspensão;
2. Motor de fabricação nipônica muito resistente, com bom torque; Fiz viagens de 1.000km e nunca deixou-me na mão;
3. Para quem aprecia design retrô; Muitos a classificam como modelo custom, mas creio que para isto seja necessário um grande exercício de imaginação. Eu classifico-a como moto de design retrô, estilo década de 70 ou cruiser, mas francamente, em nada se assemelha as custom, prá além do depósito de combustível. Motocicleta ideal para quem gosta de personalização;
4. Mecânica simples;
5. Fácil de pilotar; Indicada para pessoas baixinhas;
6. Excelente qualidade das peças cromadas;
7. Bom freio a disco dianteiro.
Contras
1. Eléctrica um tanto manhosa. Sê a tua ainda não deu problema no motor de arranque, cuidado, pois ainda dará. Já soube de vários casos com este problema. A peça original (japonesa) custa em média R$1.500,00 ou mais nas autorizadas. Gastei em torno de R$1.000,00 na reforma do motor de arranque e compra de escovas originais. Antes de descobrir este problema comum as Intruder 250cc, gastei na compra de duas baterias e rectificador, além da substituição do cachimbo de vela, que estava a dar fuga de corrente (à volta destes dias, o rectificador queimou mais uma vez!);
2. Motor forte, um tanque de guerra, porém com baixa final e excesso de vibração. Para pessoas altas, não recomendo, pois as pedaleiras são um tanto recuadas, agora se fores "baixinho", é a moto ideal;
3. Apesar da semelhança, poucas peças são compatíveis com a Intruder 125cc. A maioria das peças não tem a pronta-entrega, tendo sempre que encomendá-las a preços exorbitantes;
4. Péssimo freio traseiro a tambor. Praticamente inexistente;
5. Baixa autonomia. Exactamente como relatado acima, costumo também abastecê-la a cada 180km. Não confie na reserva;
6. Percebi que em curvas mais fechadas e a certa velocidade, ela dá uma balançada na traseira, mas talvez seja a regulagem da suspensão que não está adequada;
7. Manete de freio muito aberto, sem regulagem de distância;
8. Farol fraquíssimo. Coloquei o bloco óptico da Twister.

Condição do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Ano de Fabricação
2000
Tipo de uso
Lazer
Terreno testado
  • Urbano
  • Estrada
Quilometragem
55.000 Km
Manutenção
Difícil de encontrar
Custo de Manutenção
Normal
Esta análise foi útil para você? 
Sim (20)Não (2)
Denunciar esta análise
1 resultados - mostrando 1 - 1
Powered by JReviews