Análises escritas por Rodrigo Tonet

1 resultados - mostrando 1 - 1
 
Street
 
Satisfação Geral 
 
9.0
 
Visual 
 
10.0
Conforto 
 
7.0
Performance 
 
8.0
Dirigibilidade 
 
10.0
Consumo 
 
10.0
Custo x Benefício 
 
10.0
Rodrigo Tonet Analisado por Rodrigo Tonet    07 de Fevereiro de 2013
Analista Top 500  -  

Minha Strada é modelo 2000/2001, possuo-a desde 2007, já rodei mais de 20 mil quilômetros e nunca fiquei a pé por quebras. Uso-a diariamente como meio de transporte, revezando com o carro.
Levo a moto a cada 5 meses para oficina para substituição do óleo, regulagem de corrente e execução de consertos necessários

Eu recomendo!
Prós
Uma Street bem equilibrada, não deixa de ser uma moto feita para uso cotiano, como as CGs, mas tem um tino mais esportivo, em todos os aspectos. É um dos modelos de melhor custo-benefício que se pode encontrar no mercado, exemplares bem conservados e acima do ano 2000 podem ser encontrados por pouco mais de 3mil e você leva uma moto com um belo visual, rodas de liga-leve (muito resistentes e bonitas), partida elétrica, painel completo e freio à disco dianteiro, além de ser um modelo confiável de manutenção barata e mecânica conhecida. No quesito modernidade, não fica muito atras das 125 e 150 novas oferecidas no mercado, cuja principal vantagem é a injeção eletrônica.

Ótima para uso urbano, uma moto de ótima manobrabilidade e desempenho adequado para um modelo antigo. consumo é melhor que da CBX 250 Twister, ficando na média urbana de 23 Km/L (aceleração moderada e trocando de marcha na casa dos 5,5 mil giros), mas fica abaixo das CG, que conseguem facilmente alcançar a casa dos 30 km/L Há quem diga que é uma moto um tanto cansativa de se guiar por longos períodos na cidade, assim como a Twister, devido à posição de pilotar mais esportiva. Na cidade não tem acelerações tão vigorosas como a Twister e nem é muito potente que uma CG 150, mas sua grande vantagem (e essa ventagem faz muita diferença) é que tem um torque surpreendente, encarando subidas íngremes em baixa rotação, sem pedir redução de marcha, algo que uma CG não consegue fazer. Resumindo, o torque da Strada é comparável ao da Twister, mas a potência é significativamente inferior. Os freios são satisfatórios e bem superiores aos freios a tambor que se encontra nas CGs, mas a roda traseira tem tendência a travar.

Na rodovia é uma moto gostosa de se guiar até cerca de 120 Km/h, a partir daí fica muito barulhenta, vibra demais e passa a transmitir insegurança devido ao balanço e progressiva instabilidade. lembrando que instabilidade em altas velocidades é uma característica marcante das moto Street, pois são leves e projetadas para uso urbano. Já consegui médias de 34 Km/L na rodovia. Viajei por um percurso de 97 Km acompanhando um amigo numa Twister em um percurso com muitas curvas e serras. Devido ao torque satisfatório da Strada, foi fácil acompanha-lo nos aclives, mas nas ultrapassagens ficava evidente a maior potência da Twister. Nas curvas a moto tem um ótimo comportamento. Lembrando que a "velocidade de cruzeiro" para esse modelo fica na casa dos 95 km/h, nessa velocidade o motor trabalha com torque máximo (perto de 5,5 mil rpm), portanto consegue-se minimizar o consumo, mantendo facilmente a velocidade em subidas e deixando a moto está pronta para dar um "gás" extra para ultrapassagens. O tanque de 14 litros (2 de reserva) garante boa autonomia.

É uma moto de manutenção fácil e barata, embora um tanto periódica, até por se tratar de um modelo descontinuado há mais de dez anos. Peças originais são mais caras e difíceis de se encontrar, porém mais confiáveis e sempre recomendadas. Encontra-se grande diversidade de peças paralelas, com todos os níveis de qualidade e preço. É bom ficar atento ao comprar peças paralelas, geralmente preço é um bom indicativo da qualidade.

Além das qualidades relatadas anteriormente, é uma moto muito bonita, surpreendente para um modelo lançado em 1993. A Strada foi a moto que trouxe de volta a moda do farol redondo no Brasil, numa época em que as esportivas naked estavam fazendo muito sucesso no exterior. Pessoalmente, acho-a mais original que a Twister, que em termos de estilo é só uma atualização da Strada, e mais bonita que a CB 300, que tem um design controverso, principalmente pelo farol e pela forma do tanque. Também acho a Strada mais bonita que as 125 e 150 atuais, devido ao estilo mais esportivo.
Contras
O principal defeito da Strada e que vem desde a Turuna 125, passando pela CBX 150 Aero, até chegar nas CBX 250 Twister e CB 300, é a famigerada "bateção de corrente". Esse é um defeito crônico dessa linha de modelos da Honda e que não se resolve com manutenção, nem com adaptações de acessórios. Embora não seja indicativo de manutenção desleixada, ou má conservação, pois como foi dito, é um defeito crônico, pode ser minimizado com manutenções periódicas (lubrificação e regulagem de folga da corrente e substituição da relação, caso necessário).

O painel é uma peça que deve-se prestar bastante atenção na hora da compra. O painel original é de boa qualidade, mas motos já acidentadas (que são a maioria) às vezes tem o painel substituído, geralmente por um paralelo de baixa qualidade. O painel original é díficil de encontrar e é caro, tenha isso em mente. O painel tem 6 luzes de iluminação noturna e as luzes espia, leve a moto para um canto escuro e confira se tudo está funcionando perfeitamente, se o painel não estiver legal, tente negociar com o vendedor um desconto, ou substituição. O marcador de combustível raramente funciona direito, seja por defeito no painel, seja por defeito na boia (que por sinal é cara), nem espere encontrar exemplares à venda cujo marcador de combustível funcione corretamente, isso é algo que você vai ter que consertar depois de comprar a moto, ou deixar como está.

A Strada é barulhenta, isso é uma das primeiras impressões que se tem ao andar nela. As fontes de barulho são a corrente, o motor de concepção antiga, eventuais vibrações de peças da carenagem. Lembrando que é uma moto que vibra demais. O barulho excessivo e a vibração ficam bastante evidentes, ao ponto de irritar, acima das 6,5 mil rpm. A vibração atrapalha em viagens, ao ponto de deixar mãos e pés formigando, quando se anda em altas rotações por períodos maiores que uma hora.

Mas a principal dica e que vale não só para a Strada, mas para qualquer moto usada: fuja, nem vá ver, exemplares com aparente má conservação, evidente mente acidentados, ou com procedência duvidosa. Comprar uma moto com mais de dez anos e cuja procedência não se pode confiar, é incômodo na certa.

Condição do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Ano de Fabricação
2000
Tipo de uso
Meio de transporte
Terreno testado
  • Urbano
  • Terra
  • Estrada
Quilometragem
600.000 Km
Manutenção
Fácil de encontrar
Custo de Manutenção
Baixo
Esta análise foi útil para você? 
Sim (27)Não (0)
Denunciar esta análise
1 resultados - mostrando 1 - 1
Powered by JReviews