Análises escritas por Éder Fonseca

1 resultados - mostrando 1 - 1
 
Esportivas
 
Satisfação Geral 
 
10.0
 
Visual 
 
9.0
Conforto 
 
9.0
Performance 
 
8.0
Dirigibilidade 
 
10.0
Consumo 
 
10.0
Custo x Benefício 
 
10.0
Éder Fonseca Analisado por Éder Fonseca    31 de Agosto de 2012
Atualizado pela última vez: 13 de Abril de 2013
Analista Top 1000  -  

Depois de 6000 rodados, tenho alguns comentários a fazer:

São 8 meses de uso predominantemente urbano. Depois que desfiz de minha Biz, tornou-se meu meio de transporte, em condições que beiram a severidade.

O ponto alto dessa moto é o conjunto: boa para a cidade e para pegar estrada, mantém velocidade de cruzeiro com segurança e bastante manobrável. Pra quem gosta de pilotar de verdade, será uma delícia a experiencia com ela. No corredor se sai bem, com os retrovisores quase sempre passando por cima dos dos automóveis, a pilotagem é divertida e ela perdoa erros, desde que não no molhado. Com pista molhada todo cuidado é pouco.

Outro ponto a se destacar é o custo de manutenção: todas as peças de reposição são muito mais baratas que as similares das concorrentes principais, além disso a moto é bastante economica, me surpreendeu bastante nesse aspecto, pois não esperava essa economia. Desnecessário citar a facilidade de acesso à rede de concessionárias da Honda.

A velocidade máxima que eu atingi foi de 165 km/h, que não é definitiva haja visto na oportunidade ainda haver um pouco de cabo a mais para enrolar. Depois da terceira revisão realizarei um novo teste. Mantém cruzeiro dentro dos limites de velocidade tranquilamente, sozinho ou com garupa.

Dentre os pontos negativos eu citaria a ergonomia; depois de um período começa a forçar as costas e braços. Sei que isso é característica de toda moto sport, e dentre as principais concorrentes, Ninja e Comet, a CBR é de longe a menos desconfortável. Já para o banco não há desculpas, a Honda poderia usar melhores materiais no estofamento.

Outro ponto negativo é o preço, mas não há moto no Brasil da qual não se possa reclamar disso. O mercado brasileiro é totalmente irracional. Com o preço de uma CBR com ABS ou Ninja 300 se pode comprar uma ER6N semi-nova, ou mesmo partir para uma XJ6...

Eu recomendo!
Prós
- Equilibrio do conjunto.
- Economica, bastante economica.
- Nivel de acabamento muito superior às motos nacionais.
- Ciclística.
Contras
- Banco simples demais.
- Concessionárias cobrando ágio.

Condição do Teste

Tempo de Uso
Menos de um ano
Ano de Fabricação
2012
Tipo de uso
Meio de transporte
Terreno testado
  • Urbano
  • Estrada
Quilometragem
6.000 Km
Esta análise foi útil para você? 
Sim (47)Não (8)
Denunciar esta análise
1 resultados - mostrando 1 - 1
Powered by JReviews