Análises escritas por Felipe Ferreira

2 resultados - mostrando 1 - 2
 
Trail
 
Satisfação Geral 
 
8.0
 
Visual 
 
8.0
Conforto 
 
9.0
Performance 
 
7.0
Dirigibilidade 
 
8.0
Consumo 
 
6.0
Custo x Benefício 
 
7.0
Felipe Ferreira Analisado por Felipe Ferreira    16 de Março de 2014
Analista Top 500  -  

bom, depois de mais de 30000 kms rodados e algumas viagens com a moto deixa eu escrever um pouco sobre ela.

Nunca me deixou na mão. Os problemas que ela apresentou até hoje:

- Escapamento assovia. Alguns amigos que andaram na moto perceberam isso, não me incomodava muito no início mas parece que com o tempo piorou. Na revisão de garantia, em Frutal-MG (volta do 2ºENX) o mecânico da autorizada mesmo percebeu e ia pedir a troca, mas não poderia esperar a peça chegar pois tava voltando pra casa. Levei na CC em Cuiabá e me enrolaram, reclamei com a Yamaha mas no fim das contas enchi o saco e larguei mão, com os baús na moto diminui bastante o assovio, fica quase inouvível (existe essa palavra? :lol:) se continuar com a moto vou resolver isso trocando o escapamento, coisa que eu quero fazer já tem uns 2 anos :lol:

- O motor queima um pouco de óleo. Aconteceu algumas vezes em viagens, foi mais crítico na viagem que eu e o Hide fizemos pra Ushuaia, lembro que teve uma vez que paramos no posto e metemos óleo até não querer mais, não achávamos o nível nem cá pega :lol: e as 2 Tés soltavam uma fumaça preta pelo escapamento quando acelerávamos forte (mas só quando acelerávamos bem forte mesmo :twisted: ). Pode ter tido alguma coisa a ver com a gasolina mais pura dos hermanos e a regulagem da moto pra nossa gasolina meia-boca. Na última viagem, indo pro Jalapão, chequei o nível uma vez, depois de ter rodado uns 2500 com o óleo, a marca tava no nível limite, bem no finzinho da varetinha. Bom, pesquisei na internet e vi que um MONTE de gente que tem XT660 e Té66 tem o mesmo problema. Não sei explicar como mas um pouco do óleo do motor some mesmo, até li um dono afirmar que ele tinha feito a conta e era batata: a cada 1.000 kms era 250 ml que o motor "consumia". Solução pra isso é checar o óleo a cada 1000 kms, ou a cada 2000, 2500 kms no máximo, se tiver baixo o nível adiciono um pouco, e daí troco com 4000 ou 5000 kms (recomendado pelo manual). Nas últimas vezes resolvi seguir o manual e colocar Yamalube e abastecer com aditivada, parece que melhorou um pouco, mas ainda não tenho certeza se essas mudanças foram realmente responsáveis pela melhora. Ah, verificar o nível de óleo dessa moto é complicado, tem vez que vc acha, tem vez que não :lol: pra conseguir uma medição mais precisa eu sempre rodo bastante com a moto, pro motor ficar bem quente, e daí coloco no cavalente central. É um probleminha chato que te deixa com uma pulga atrás da orelha, mas a moto nunca me deixou na mão por conta disso.

Ia reclamar das pastilhas traseiras mas pensando bem acho que o gasto é alto mas dentro do normal. Pastilha dianteira nunca troquei.

Alterações que fiz na moto:

- Suporte lateral e traseiro e baús Givi. Esses eu levo pra qualquer moto que tiver. já cai uma pá de vezes e os baús sempre serviram de proteção :lol: nunca estragaram.
- Tomada 12v. Fiz igual o pessoal da net faz, um furo na carenagem, embaixo do painel, ao lado do tanque. Fica top, parece coisa original da moto, muito útil ;)
- Cavalete central. Já tinha quando comprei, pra moto com transmissão a corrente e pneu com camara acho essencial.
- Protetor de mão. Fez seu papel na viagem pra Ushuaia, protegeu os manetes nas quedas, mas de tanta porrada racharam :lol: talvez mais pra frente coloque os originais da Yamaha.
- Filtro de ar K&N, lavável. Troquei pelo original, quando da troca tive a impressão da moto ter ficado um pouco mais esperta nas acelerações e do consumo ter aumentado um pouco. Falando nisso nunca mexi mais, vou tirar ele e ver se precisa de uma lavada :lol:
Pretendo fazer, se continuar com a moto:
- Farol de milha. Pra rodar mais tranquilo à noite.
- GPS Garmin, com suporte. Dá pra viajar com mapa e planilhas, mas o GPS é superior.
- Protetor de mão. Não dá pra confiar em andar sem, cair e ficar sem manete da embreagem.
- Protetor de motor. Hmmm... ainda não me convenci totalmente, pra proteger a moto os baús sempre deram conta :lol: além disso seria um peso a mais. Tenho de avaliar melhor.
- Pochete. Pra carregar moedas pros pedágios :lol:

Tanta coisa boa na moto! tantos bons momentos passados juntos! o saldo final da avaliação sem dúvida é positivo, aprovadíssima, como gosto da minha CBTéinha hehe.

Eu recomendo!
Prós
- Mecânica confiável. NUNCA me deixou na mão, parado na estrada sem funcionar, nunca deu problema elétrico (na viagem pra Ushuaia a Té do hide deu umas engasgadas elétricas), nunca deu problema mecânico, nunca se comportou de maneira estranha em qualquer tipo de piso. Nunca tive de trocar os cabos de embreagem e acelerador. To tentando lembrar de mais peças... bom, tirando óleo, pneu, pastilha traseira, uma lâmpada do farol e um fusível nunca tive de trocar nada da moto.
- O conforto é excepcional, acho que é o que mais gosto na moto. Posso rodar o dia inteiro, do sol nascendo ao sol se pondo, e não me canso, o conjunto banco/guidão (original) e posição do piloto é muito bom, meu principal medo de trocar de moto é perder esse conforto.
- A danada é linda e chama a atenção :lol: onde vc para, principalmente nos lugares mais afastados dos grandes centros (mas mesmo em capitais) todo mundo para e olha, pergunta, puxa conversa, admira a moto, tem hora que até enche o saco :lol: . Eu olho pra moto e sinto vontade de subir nela e sair arregaçando :lol:
- Autonomia enorme, 23 litros com uma média de 19 km/l (hoje a minha tem feito média de 20km/l) dá pra rodar 437 kms. É bom demais estar viajando, numa moto confortável e escolher onde vc vai parar pra abastecer, passar reto numa cidade e deixar pra abastecer na próxima.
- Dei sorte, os piscas da minha nunca quebraram :lol: (em compensação aquelas proteções ao lado do tanque, cor cinza, racharam, dos 2 lados.)
- Freios muito bons, alicata o dianteiro que a moto para mesmo! infelizmente não tem ABS.
- Chassi forte. Nunca deu trinca em lugar algum, e apesar do piloto peso pena, já carreguei muita coisa em muita estrada de terra ruim, "judiando" da moto.
Contras
- O consumo é regular, o das monocilíndricas 660 da BMW são bem melhores.
- Preço do seguro é mais alto do que o das concorrentes, às vezes bem mais alto.
- Não afirmo com certeza, mas pelo que dizem, e pelo pouco que pilotei de outras motos da mesma categoria, o moto é mais fraco, não tem aquela pegada esportiva da Versys, nem a brabreza cavalo xucro da XT. Como não sou de correr muito não me incomoda.
- É pesada e alta (eu gosto dela ser alta, mas pra maioria das pessoas deve atrapalhar) e você sente o peso em cima, acredito que por conta principalmente do tancão. Pra andar na areia e no barro é complicado, nessas horas vc vai querer voltar pra sua XRE/Té250/Tornado... :lol:
- Farol. É bom pros outros te verem, deixa a moto "muito visível" pra quem vem de frente. Mas é impossível achar uma regulagem decente pro farol alto (a regulagem mexe tanto no farol alto quanto no baixo). Pela potência e tamanho do conjunto acho o desempenho fraco.

Condição do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Ano de Fabricação
2011
Tipo de uso
Lazer
Terreno testado
  • Urbano
  • Terra
  • Estrada
Quilometragem
38.000 Km
Manutenção
Dentro do esperado
Custo de Manutenção
Normal
Esta análise foi útil para você? 
Sim (5)Não (1)
Denunciar esta análise
Trail
 
Satisfação Geral 
 
8.0
 
Visual 
 
7.0
Conforto 
 
8.0
Performance 
 
7.0
Dirigibilidade 
 
9.0
Consumo 
 
7.0
Custo x Benefício 
 
8.0
Felipe Ferreira Analisado por Felipe Ferreira    09 de Julho de 2012
Analista Top 500  -  

Excelente moto, boa pra usar na cidade, muito boa pra viajar, nunca tive problemas com manutenção, comprei zero e já está com 45000 km rodados, nunca me deixou na mão, muito confortável para o piloto e garupa também. Consumo na faixa dos 27 km/l (https://www.fuelly.com/driver/quasenada/xre300?fu=2846361). Já ouvi muitas críticas sobre o problema de ter de fazer regulagem das válvulas a cada 4000 km, mas acredito que o problema existe quando a CC não tem bons mecânicos, na minha nunca tive problemas.

Eu recomendo!
Prós
-muito confortável
-bom consumo
excelente pra viagens
-manutenção barata
-bagageiro
-rodas e balança de alumínio
-ciclistica excelente
Contras
-tanque pequeno
-pneu original barulhento
-paralama dianteiro inferior original é pequeno, andando na chuva ou lama suja todo o farol, às vezes até o piloto (a partir do modelo 2012 ele é um pouco maior, ameniza mas não soulciona o problema), resolve-se com o elistik (um prolongador, sai por volta de R$80,00)
-sinto falta de uma 6ª marcha, pra overdrive, economizando gasosa em longas viagens.

Condição do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Ano de Fabricação
2010
Tipo de uso
Meio de transporte
Terreno testado
  • Urbano
  • Terra
  • Estrada
Quilometragem
45.000 Km
Manutenção
Fácil de encontrar
Custo de Manutenção
Normal
Esta análise foi útil para você? 
Sim (4)Não (1)
Denunciar esta análise
2 resultados - mostrando 1 - 2
Powered by JReviews