Análises escritas por Wellington Spiguel Cassiano

1 resultados - mostrando 1 - 1
 
Naked
 
Satisfação Geral 
 
9.0
 
Visual 
 
9.0
Conforto 
 
7.0
Performance 
 
8.0
Dirigibilidade 
 
8.0
Consumo 
 
7.0
Custo x Benefício 
 
8.0
Wellington Spiguel Cassiano Analisado por Wellington Spiguel Cassiano    18 de Maio de 2012
Analista Top 1000  -  

Uso a moto primordialmente no dia-a-dia. Tenho vindo de uma Fazer 250,a adaptação foi fácil e rápida pois ambas tem posição de pilotagem muito parecida. A XJ, graças à baixa altura do assento e sua pouca largura na junção com o tanque, é uma moto muito fácil de se usar na cidade. O câmbio de engates (quase sempre) precisos permite o tráfego a baixas velocidades em marchas elevadas, ajudando na economia de combustível. Os freios se mostram um pouco borrachudos no acionamento, mas são progressivos e moduláveis. Perder 20cv em relação à FZ-S não fez mal à XJ, já que a taxa de torque permaneceu a mesma. O painel é de facílima leitura e os dois odômetros parciais, mais o odômetro de reserva, são suficientes. Ainda tem relógio e temperatura do líquido de arrefecimento. Nesses pouco mais de 14 meses que estou com ela registrei baixíssimo consumo de óleo e a corrente requer ajustes regulares mas é muito resistente. Calibrar os pneus é que é uma tarefa meio chata, pois a Yamaha não equipou o modelo com bicos a 90º e eles ainda estão posicionados muito próximos do raio das rodas. O dianteiro é bem mais complicado por causa dos dois discos de freio.
Pouco comentado, mas a moto tem componentes nobres, como as bombas de freio Brembo, por exemplo. As pastilhas de freio originais (e a peça original vendida nas Concessionárias) são fabricadas no Japão.
As regulagens da suspensão traseira, na minha opinião, são mais que suficientes para a proposta da moto. Com sete posições sendo que a terceira é a padrão, é fácil de ajustar e encontrar o ponto ideal. Peso pouco menos de 60kg e utilizo a moto na posição 4. Estou me preparando para a primeira viagem, e para isso adquiri bolsa de tanque, alforges e suportes da Givi.

Eu recomendo!
Prós
Agilidade, economia, conforto
Contras
Falta de proteção aerodinâmica, ausência de cavalete central, ausência de pontos de fixação de bagagem

Condição do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Ano de Fabricação
2010
Tipo de uso
Meio de transporte
Terreno testado
Urbano
Quilometragem
9.000 Km
Manutenção
Dentro do esperado
Custo de Manutenção
Normal
Esta análise foi útil para você? 
Sim (39)Não (6)
Denunciar esta análise
1 resultados - mostrando 1 - 1
Powered by JReviews