Análises escritas por Lucas Donates

2 resultados - mostrando 1 - 2
 
Trail
 
Satisfação Geral 
 
9.0
 
Visual 
 
9.0
Conforto 
 
7.0
Performance 
 
8.0
Dirigibilidade 
 
8.0
Consumo 
 
10.0
Custo x Benefício 
 
10.0
Lucas Donates Analisado por Lucas Donates    11 de Outubro de 2012
Analista Top 500  -  

Sempre disse para os meus amigos que a Lander sobe até parede! Nunca vi ninguém tentando, mas que ela tem pique pra isso, tém!

Moto surpreendente, fazendo um balança entre os pontos negativos e positivos, chega a conclusão de ser um ótimo investimento.

Eu recomendo!
Prós
- A injeção eletrônica, além da sua concorrente direta não ter (Honda XR 250 Tornado), faz com que seu consumo de combustível chegue aos 30 Km/l;
- Além disso a injeção deixa o motor muito esperto em baixas rotações, só acelerar que ela responde na hora;
- Posição de pilotagem bem ativa e ereta, ao melhor estilo MX;
- Freio a disco na traseira, mais seguro que da Tornado;
- Suspensão com um bom curso, faz a leitura das irregularidades dos buracos nas vias sem passar muito para o piloto;
- Manutenção corretiva é assunto raro para esse modelo;
- A altura do assento, com 875 mm do solo, encara qualquer parada. Porém quem tiver menos de 1,70 m de altura vai sentir dificuldades em pilotá-la.
Contras
- Aro de 21 polegada na dianteira pode não responder tão bem a mudanças de sentido, exigidos nas vias urbanas das grandes cidades, nas primeiras voltas para quem está acostumados com 17 polegadas;
- Pela proposta off-road o banco torna-se um incomodo em grandes deslocamento, por ser estreito e pela densidade da espuma;
- Tanque pequeno, fazendo sua autonomia ser muito baixa;
- Freio borrachudo, transmite uma certa insegurança em frenagens emergenciais;

Condição do Teste

Tempo de Uso
Dei umas voltas
Ano de Fabricação
2007
Tipo de uso
Lazer
Terreno testado
  • Urbano
  • Pista
Esta análise foi útil para você? 
Sim (8)Não (1)
Denunciar esta análise
Street
 
Satisfação Geral 
 
9.0
 
Visual 
 
10.0
Conforto 
 
7.0
Performance 
 
9.0
Dirigibilidade 
 
8.0
Consumo 
 
6.0
Custo x Benefício 
 
8.0
Lucas Donates Analisado por Lucas Donates    29 de Julho de 2012
Analista Top 500  -  

Fica um pouco difícil avaliar a minha Twister (apelidada de Duda) de forma imparcial, pois ainda tenho aquela nostalgia de ser a primeira moto. No geral é uma excelente moto.
Uma dica que deixo por experiência própria é cuidado com a manutenção preventiva, se feita corretamente você não terá susto nenhum. Conheça o máximo o passado da moto antes de adquirir, a personalidade do dono reflete no estado de conservação, dono desleixado e você terá dor de cabeça depois de perder tempo corrigindo as "cagadas" dos outros, do que curtir as qualidade dela.

Eu recomendo!
Prós
- Econômica quando se trabalha na faixa máxima de torque (6000 RPM), a minha têm uma autonomia na média de 315 Km;
- Ótima nas retomada de marcha e arrancada do semáfaro no trecho urbano;
- Motor com dupla personalidade, mansa até 6000 Rpm, forte e quando exigimos acima dos 7000 Rpm;
- Posição de pilotagem mais confortável, mais ereta que a sua sucessora (CB 300R), em longos trajetos;
- Freio um pouco borrachudo, mas muito eficiente;
- Painel digital completo e de fácil visualização das informações;
- Nos meus deslocamentos diários pego um trecho da Rodovia Castelo Branco, e ela anda na velocidade máxima permitida na via (100 Km/h) tranquilamente;
- Suspensão muito estável, sendo um pouco desconfortável em trechos com muita irregularidade;
- Se feita a manutenção preventiva respeitando a quilometragem e utilizando peças originais, ela não exige manutenção corretiva precoce;
- Design se mantém atual apesar de ter saído de linha em 2009, sem falar que ela parece ser uma moto maior do que o real tamanho de 249cc.
Contras
- O calcanhar de aquiles do modelo é o barulho da corrente, e sempre deve estar atento com relação a lubrificação e tensão correta dela. Apesar de que já estou tão acostumado que não incomoda mais;
- O velho ditado "cavalo que corre come" serve quando anda com ela trocando as marchas perto da faixinha vermelha do conta-giros. É uma delícia, mas pesa no bolso;
- Apesar de ter seis marchas, não vejo muita eficiência na 6ª marcha;
- Muitas trocas de marchas para se trabalhar na faixa de torque ideal;
- Por ser carburada, para exigir performance do motor, é necessário sempre estar com o giro lá em cima;
- Por morar na grande São Paulo, a minha maior preocupação é roubo e furto, 3ª no ranking apesar de estar fora de linha à 3 anos.

Condição do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Ano de Fabricação
2006
Tipo de uso
Meio de transporte
Terreno testado
  • Urbano
  • Terra
  • Estrada
Quilometragem
41.413 Km
Manutenção
Fácil de encontrar
Custo de Manutenção
Baixo
Esta análise foi útil para você? 
Sim (31)Não (2)
Denunciar esta análise
2 resultados - mostrando 1 - 2
Powered by JReviews